Créditos: Blog 'novemberschild'

RESENHA | O que o sol faz com as flores

por que girassóis ele me pergunta

eu aponto para o campo amarelo

os girassóis adoram o sol eu digo

quando o sol sai eles se erguem

quando o sol vai embora

eles abaixam a cabeça de tristeza

é o que o sol faz com as flores

é o que você faz comigo

– o sol e suas flores” (pág. 173)

 

“O que o sol faz com as flores’ – em inglês “The sun and her flowers”– , é o segundo livro publicado de Rupi Kaur. E nada melhor que abrir nossa resenha de hoje com o poema que dá nome ao livro poema que dá nome ao livro. A segunda obra da autora foi lançada oficialmente no dia 3 de outubro de 2017 nos EUA, vendeu, segundo o portal PublishNews cerca de 54.869 mil exemplares, e ainda fez com que Rupi Kaur levasse o prêmio Goodreads Choice Awards Best Poetry, aqui no Brasil a obra foi publicada pela editora Planeta de Livros Brasil. O fato é que, assim como o livro anterior “The sun and her flowers” estourou como sucesso de vendas, se tornando o segundo best-seller da autora.

“Outros jeitos de usar a boca” nos fez mudar o modo como via e lia poesia, os poemas mexem com quem lê. Deste modo, a ansiedade e a expectativa para “O que o sol faz com as flores” aumentam, mas Rupi consegue superar as expectativas. Se em “Outros jeitos de usar a boca” o leitor trazia uma experiência mais pessoal, a cerca da feminilidade, de amores e superação, “O que o sol faz com as flores” faz o leitor pensar em como a Rupi é forte, desperta um sentimento de empatia com a autora, sua história, e por muitas vezes você acaba se enxergando nos trechos escritos, mesmo que o que esteja ali escrito não condiga com sua realidade.

“quando me enterraram viva

cavei meu caminho

de volta do chão

com o punho e com a mão

gritei tão alto

que a terra se agitou de medo

e a poeira levitou no espaço

minha vida foi um ato de resistência

um enterro após o outro

– deixar você não vai ser difícil” (pág. 147)

Claro que para quem gosta de poesia de cunho mais introspectivo, a obra também está cheia de poemas neste estilo. Este é o ponto deste livro, desperta a empatia com o outro, consigo mesmo, muda tua visão em relação a certas temáticas, te transforma do jeito mais lindo e tocante que somente as palavras podem fazer. Assim como no primeiro livro, este também é dividido em partes. São elas “murchar”, “cair”, “enraizar”, “crescer” e finalmente a ultima parte, “florescer”. Acho importante destacar um trecho marcante de cada uma destas, então vamos a elas:

  1. Murchar

“por que será

que só quando uma história acaba

que a gente começa a sentir cada página” (pág. 54)

  1. Cair

“você não acorda um belo dia e se transforma em borboleta

– crescer é um processo(pág. 87)

  1. Enraizar

“deixar seu país

não foi fácil para a minha mãe

ainda a vejo procurando sua terra

nos filmes estrangeiros

e na prateleira de importados” (pág. 123)

  1. Crescer

“nunca sinta culpa por começar de novo”(pág. 160)

  1. Florescer

“é uma honra

ser da cor da terra

será que você imagina a frequência

com que as flores me chamam de casa” (pág. 227)

Por fim, o livro segue o mesmo estilo de diagramação do anterior, e também foi distribuído no Brasil pela editora Planeta do Brasil. Pra quem curte poesia – por mais que para muito os livros de Rupi Kaur já tenham se tornado clichês – é um ótimo título. Já leu “O que o sol faz com as flores” ? Então conta para a gente nos comentários o que achou!

Nota Nerdisse:   (5 / 5)

Comente, queremos saber sua opinião