JOGOS | Perfect World

JOGOS | Perfect World

Perfect World é um jogo de MMORPG para computador, lançado em 2005 pela Beijing Perfect World e distribuído no Brasil pela Level Up!. Totalmente gratuito, leve e com um gráfico estilo anime, o jogo eletrônico está entre os mais democráticos do estilo (são dez opções de classes de personagens em ambos os sexos, havendo apenas duas exceções sem variedade: as Feiticeiras e os Bárbaros). Você pode ser o que quiser, já que homens e mulheres tem o mesmo potencial.

Rico em lendas mitológicas, em Perfect World, o player é destinado a uma jornada de descobertas e explorações: descobrir novas terras, enfrentar monstros e superar desafios para se tornar mais forte, bem padrão RPG. A cada nível – o jogador começa no 1 -, novas opções e caminhos surgem, cabendo ao usuário escolher a sua rota e o seu destino.

Em Pan Gu, universo da obra, você pode ser o que quiser e fazer o que quiser, desde evoluir matando monstros, participar de missões em grupo para vencer boss ou, até mesmo, ser membro de um clã enfrentando outros players em batalhas corriqueiras ou em lutas territoriais, as famosas TW, que trouxeram parte do sucesso que o jogo adquiriu ao longo dos anos.

Imagem: Fórum Ragezone

Para os jogadores iniciantes, a vasta variedade e complexidade de PW pode se tornar um grande desafio, posto que faltam instruções e orientações do próprio jogo mostrando as possibilidades que o usuário tem. Parte do conteúdo explicativo vem dos próprios players, a maioria no estilo “ faça isso ou aquilo” ao invés de explicar o que cada uma dessas escolhas proporciona. É difícil romper a barreira do “noob” (no sentido de iniciante).

Com relação a jogabilidade, como já dito, a mesma é bem vasta e variada. Não é um jogo repetitivo, embora possa se tornar conforme as suas escolhas. A mecânica é simples e, infelizmente ou felizmente, evoluiu muito pouco com o passar dos anos. Parece o mesmo jogo de anos atrás, apenas melhorando a estética de alguns personagens e magias. Falando de magias, é um dos pontos fortes. Cada classe possui habilidades próprias e, no caso das classes atuais, é espetacular ver a beleza das animações e da programação por trás de cada uma delas.

Imagem: Mundo Perfect World

Mesmo que lançado em 2005, o gráfico de PW se equipara as produções atuais. Há reflexos na água, sombras e realismo nos personagens. Inclusive, sobre o último aspecto, há dois pontos que merecem ser ressaltados. O primeiro deles é a ferramenta de criação que permite ao player customizar seu personagem (ainda que seja restrito em alguns aspectos). O segundo é a forma com que os personagens são representados. A cada armadura que você equipa ao longo do jogo, o traje do seu personagem muda e, por incrível que pareça, para as mulheres, não são roupas extremamente vulgares que nos fazem sentir constrangimento. Como disse, é um jogo democrático e até mesmo respeitoso, deixando claro que não existem diferenças entre sexos. Falando em trajes, eis um dos poucos aspectos que o cash faz diferença. Mesmo sendo um jogo gratuito, pode ser colocado cash para jogar. O mesmo promove mais mudanças visuais do que no personagem em si.

Por fim, é importante falar da jogabilidade. Apesar de haver os problemas que já foram enumerados, como a falta de orientações, a jogabilidade do MMORPG é interessante. Complexa? Sim. Difícil? Não necessariamente. É um jogo intuitivo, em que cada detalhe foi pensado para se encaixar em um quebra-cabeça maior. Além disso, é um jogo que precisa de dedicação para ser superado, ou seja, não pense que você vai começar e da noite para o dia, será pró-zão. Paciência, pequeno gafanhoto. PW é nos erros e nos acertos mesmo e, a cada vez que você jogar, irá descobrir coisas novas.

Nota Nerdisse:  (4 / 5)

Veja o trailer: 

Comente, queremos saber sua opinião